16 out

Por Zeinab BazziThiago Andrill

Já imaginou um conturbado chá entre punks e a realeza vitoriana? Essa foi a inspiração de Reinaldo Lourenço em seu desfile de inverno 2020. Um estilo mais tradicional, repleto de alfaiataria, mas que foge da ideia de distância e superioridade elitista.

Reinaldo Lourenço

Peças estruturadas clássicas, misturadas à rebeldia punk, ilustram a dicotomia das atuais relações. (Foto: Jennifer K Liu)

No momento conturbado pelo qual o mundo passa, peças estruturadas clássicas, misturadas à rebeldia punk, ilustram a dicotomia das atuais relações: aliados e inimigos, bem e mal. Entretanto, esta separação (mesmo quando os elementos são apresentados em conjunto) pode parecer muito simplista, maniqueísta.

Fugindo das informalidades do sportswear, Reinaldo trouxe muito couro à passarela, – o material que sempre esteve presente em criações do estilista, se juntou à ilhoses e materiais mais leves (como seda e bordado inglês) -.

Nesta intersecção inusitada, também vemos golas, mangas bufantes e babado – detalhes clássicos da nobreza do final dos anos 1800, mas atualizados -. E também vestidos românticos, que trazem consigo um ar de inocência.

Protesto até que ponto?

Outro ponto que chama a atenção – e foi visto em outros desfiles, como o da Ellus – é o uso da tendência militar. O estilo, que surgiu em 1940, durante um período conturbado de guerras, volta à tona como forma de resistência. Afinal, Moda é protesto.

Entretanto, todos os modelos que passaram pela passarela ainda seguem as formas padrão da indústria (contradição presente até então nos desfiles desta edição da SPFW).

veja também os posts relacionados

Comente via Facebook

Deixe seu comentário

Instagram
Leitura de moda