15 out

Por Zeinab Bazzi

A Ellus volta aos palcos do SPFW trazendo um discurso sustentável que poderia ser engajado, caso esse fosse o seu território de atuação de marca. Ao colocar protagonismo na sustentabilidade, a label criou questionamento sobre o quão comprometida está com a temática, já que o segmento de jeans é um dos mais poluentes quando se pensa na indústria têxtil.

O desfile foi finalizado com um manifesto no centro de São Paulo. (foto: Ellus/Divulgação)

Com este desfile, que teve o centro de São Paulo como cenário, torna-se evidente a tentativa da Ellus de se conectar com uma nova geração voltada para o digital e que é, ao mesmo tempo, preocupada com questões socioambientais.

A marca procura vestir um discurso de engajamento: tanto ao colocar a cantora Majur, trans, negra e baiana, para cantar, como ao levantar voz para falar sobre preservação natural. Os looks eram compostos por jaquetas corta-vento, calças cargo, jeans e muita logomania. A cartela foi, em sua maioria, sóbria (branco, preto e marrons).

A passarela na rua é uma tentativa de se distanciar de construções elitistas – estabelece o referencial de “ocupar a rua”, manifestar -. E é isso que a geração millennial deseja: não somente se vestir, mas consumir produtos que tenham ideais alinhados com os seus próprios.

Manifesto Ellus

A apresentação foi finalizada com os modelos segurando cartazes que anunciavam uma parceria entre Ellus e Route, projeto social de Simão Filippe que, desde 2011, tem como objetivo educar a população sobre a preservação de praias e áreas públicas.

Juntas, elas vão realizar ações de coleta em praias do Rio de Janeiro, Florianópolis e Fernando de Noronha, além de produzir uma coleção limitada.

E por fim, outra união também foi divulgada: a Ellus se uniu ao Guaraná Antarctica para um projeto em prol da Amazônia, que será revelado apenas em novembro.

veja também os posts relacionados

Comente via Facebook

Deixe seu comentário

Instagram
Leitura de moda