11 fev

Não é um mero xadrez. É o xadrez mais famoso do mundo. É o xadrez estampado em casacos, capas, bolsas, biquínis, cintos, maiôs, bonés, gravatas e, claro, no icônico trench coat. É o xadrez que não perde a graça, mesmo com mais de 150 anos de existência. É o xadrez que ganhou releituras para buscar novos públicos. O resultado? Xeque-mate! Uma jogada de mestre. O dono do tabuleiro? Ninguém menos do que Christopher Bailey, chief creative officer e presidente da Burberry.

Christopher Bailey: o cara que tirou a Burberry do ostracismo fashion

 

Britânico da cabeça aos pés, hoje um dos mais renomados e remunerados estilistas de moda do mundo, parece ter alcançado o equilíbrio perfeito entre o tradicional e o inovador. Bailey descobriu a essência e mirou no DNA marcante da grife com total sintonia com o lema Prorsum da Burberry, que quer dizer “adiante” ou “para frente”, em latim.

A receita do sucesso está longe de ser desvendada, mas alguns ingredientes podem ser facilmente percebidos. Um deles é a intensa conexão de Christopher com o Reino Unido e, assim como a marca, ele respira Londres. Filho de um carpinteiro de classe média e de uma vitrinista da Marks & Spencer, Bailey foi criado no interior da Inglaterra e constantemente busca inspirações para suas coleções em todas as camadas sociais britânicas. Aliás, se tem uma coisa que Bailey faz com maestria é romper barreiras por meio de suas peças que carregam o andar londrino a cada canto e transforma tendência em essência, micro em macro.

E, por falar em macro, no mundo digital ele é rei. Com ousadia e sensatez, colocou a Burberry no pódio das preferidas e mais lucrativas grifes, por ser considerada uma das pioneiras no investimento online, com o contato com o público pelas redes sociais, com a transmissão de desfiles ao vivo e a aposta no modelo “see now buy now”. Em 2010, veio a primeira prova de que estava no caminho certo: conquistou a primeira edição do prêmio de Inovação Digital concedido pelo British Fashion Council (BFC), conselho de moda do Reino Unido.

Bailey é um dos responsáveis por fazer a marca ser referência nas plataformas digitais

Mas, não parou por aí. O designer deu novo fôlego fashion às coleções. No famoso trench coat, injetou boa dose de jovialidade. Tecidos metalizados, plastificados, cores, brilho e lurex trouxeram um ar completamente novo ao tradicional casaco cáqui e conquistaram os mais novos consumidores. E para badalar a marca, Bailey soube conquistar as celebridades. Hoje, a Burberry é a queridinha dos closets de ninguém menos do que Emma Watson, Kate Moss, Taylor Swift e Sienna Miller.

Mudanças? Elas não o intimidam. Com versatilidade, proatividade e uma mente estratégica, Bailey não mede esforços para criar, recriar e inovar a Burberry. E seu sucesso não nasceu na marca. Donna Karan foi o primeiro grande nome a reconhecer o talento do designer e o levou para Nova York em 1994 para integrar sua equipe de estilo feminino. Em 1996, Christopher foi trabalhar como designer sênior com Tom Ford na Gucci, em Milão, até receber o convite de entrar para a Burberry. E foi aí que explodiu. Venceu diversos prêmios e se tornou o primeiro estilista a acumular as funções de CEO e de Chief Creative Officer em uma marca. E, em um sistema de troca de estilista, ele se destaca como flexível e sempre pronto para a próxima. Da marca londrina com mais de 150 anos para o mundo. Prorsum, Bailey! (por RAÍSSA ZOGBI)

veja também os posts relacionados

Comente via Facebook

Deixe seu comentário

Instagram
Leitura de moda